fbpx
Mapa Meu - Travel Experiences Lda
+351 917 434 117

As pequenas saudades de África do Sul, uma crónica de viagem de Pedro Quirino

, Pinguins África do Sul

Cape Town ficou para trás. Deixo a Mother City, mas não me despeço ainda do mar. Será ele, aliás, o meu único companheiro de viagem nos próximos 6 dias antes de voltar novamente para o mato. Sigo para Sul, como quase sempre. Invariavelmente é esta a direção que gosto de tomar. Escolho sempre a rota mais próxima do mar para nunca o perder de vista!

O Cabo da Boa Esperança é paragem obrigatória. Um promontório imponente que rasga o mar sem medo, refúgio de Mostrengos e Adamastores. Percebe-se  o porquê. A História ensinou-nos a cantar a valentia dos marinheiros portugueses mas não creio que bravura, devoção ou honra fossem os verdadeiros motivos que os trouxe aqui. Basta viajar um pouco para questionarmos a própria História, mas isso é assunto para outras insónias.

Continuo para sul, pois o Cabo da Boa Esperança ainda não é o fim do mundo. Os autocarros de turistas e as lojas de souvenirs comprovam-no. É sem dúvida um lugar místico de vários nomes e apelidos ao longo da História, consoante o simbolismo que se lhe quiseram conotar, tal como outros cabos, ventos ou constelações.

Chego ao Cabo das Agulhas. Não há mais sul. Há apenas um mar e 2 oceanos separados por uma linha imaginária. Este é, talvez, o maior fim do mundo dos fins de mundo. Lugar esquecido por todos. Pelos narradores que não lhe dedicam quadras. Pelos governadores que não lhe estendem estradas. Até pelo próprio sol. Não sei a razão mas gosto destes lugares ainda não vulgarizados. São especiais e sinto-me especial com eles.

Retomo o caminho junto ao mar pela famosa Garden Route. Em muitos, ou quase todos os aspectos, parecida com a Costa Vicentina. Se a Arrifana tivesse pinguins, era assim! Porém, aqui as coisas já não me parecem ao contrário mas sim em tamanho XXL. É tudo estranhamente familiar. É uma paisagem que nos lembra aquele lugar. É um cheiro que nos lembra aquele sabor. É um momento que nos lembra aquele sentimento. É um olhar que nos lembra aquela pessoa…e assim se vão matando estas pequenas saudades neste lugar que em tudo me faz lembrar o meu.

Crónica de viagens escrita pelo líder especializado em safaris de natureza Pedro Quirino.